11.5.11

Gente como a gente!

A triste visão sobre moradores de rua!

No Brasil há cerca de 192 milhões de habitantes, segundo o CENSO do IBGE. Entre 0,6% da população 1% são moradores de rua.  Em números, há até 1,8 milhões de moradores de rua em todo o território brasileiro.

Nos últimos anos o que se tem visto são ataques de formas irracionais a essas pessoas. Todas as mortes ocorridas a moradores de ruas, foram por homicídio. Em Maceió o número de mortes a moradores de rua este ano já somam 10 casos, ainda sendo investigados. Em São Paulo, no último sábado (9) um morador de rua foi morto carbonizado, a vítima ainda antes teve as mãos amarradas.

O Livro ‘ Moradores de rua, uma questão social’ de Camila Giogetti mostra esta ênfase sobre as representações da sociedade acerca do problema dos moradores de rua e o tratamento institucional e individual que lhes é concedido, tendo a hipótese diretriz de que, quanto maior o preconceito negativo em relação ao morador de rua, menor seria a possibilidade de ele ter reconhecida sua cidadania.

Mas talvez nos perguntemos: Como poderia alguém deixar sua moradia, sua família, tudo o que conquistou com o trabalho e o passar dos anos para morar na rua, morar em uma praça?"
Para esta resposta existem inúmeras justificativas, é necessário avaliar a procedência de cada um, o que muitas vezes se torna um desafio para a sociedade. Por exemplo, no caso do alcoolismo o abandono da família é feito muitas vezes por não suportar as pressões psicológicas dentro de casa, sem emprego, a vergonha de não mais poder arcar com as despesas da família muitas vezes o faz sair de casa à procura de uma oportunidade, sem ela, eles ficam pelas ruas e não mais voltam para o seu lar, pelo orgulho, pelo machismo ainda enraizado na cultura. Há aqueles que optam por morar na rua por se sentirem livres e, mesmo com as dificuldades, o seu corpo tende a se adaptar às situações diversas, passando a se acomodarem na condição em que se encontram, não tendo em sua maior parte uma ambição futura, se resumindo ao hoje, o agora.



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se é Arte, é Categóricos!