26.8.11

Digestivo Cultural

por Jéssely Diamente


A menina que não sabia ler trata-se de um livro escrito por John Harding. Um suspense gótico que começa de uma forma suave e tranqüila até atingir seu ápice, deixando os leitores numa tensão sem fôlego até a última página.
Embora a trama, que se passa em 1891, seja bem estruturada, criativa e inteligente, a história navega por uma temática mórbida, protagonizada por Florence, uma garota de doze anos, que, ao lado de seu irmão caçula Giles, reside em uma mansão sombria e repleta de mistérios. Órfã de pai e mãe, ela dedica seu tempo e sua afetividade exclusivamente ao meio-irmão e aos livros. Criada por uma antiga governanta, e por alguns criados da moradia decadente, ela é desprezada pelo tio, a quem nunca conheceu pessoalmente. Ele se encarrega apenas de transmitir algumas regras para os serviçais e de contratar uma das preceptoras de Giles.
Desprovida de quaisquer valores morais, perspectivas para o futuro e instrumentos para o convívio social, Florence se refugia no tesouro literário que habita a Biblioteca (um lugar frio e inabitado), recanto que ela descobre um dia, casualmente. Apaixonada por esse universo desde o início, impedida de sequer aprender a ler – regra máxima prescrita pelo tio -, ela se transforma em autodidata e conquista sozinha, esse conhecimento, o qual lhe abre as portas do mundo e da imaginação.
A partir deste momento, a garota passa a viver uma vida dupla. Diante do olhar alheio, Florence é uma menina estranha que perambula pela mansão da Nova Inglaterra, mas clandestinamente mergulha cada vez mais fundo neste refúgio secreto, apenas compartilhado com Giles. O problema é que, para defender os únicos tesouros que a vida lhe ofereceu – a esfera literária e o irmão -, ela é capaz de qualquer coisa.
A narrativa é conduzida pela própria Florence; dessa forma, o leitor só tem uma versão da história, e é cada vez mais envolvido pela protagonista. Resta saber: o que é realmente realidade e o que é mera imaginação? Florence faz com que o leitor capte seus sentimentos. Sinta medo, raiva, angústia, aflição e veja-se sem saída... Assim como a própria protagonista.
A história outrora simples e infantil sobre a vida de uma menina passa a ser o cenário de uma macabra história. Diga-me você no final: O que é real?

Fica a dica!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se é Arte, é Categóricos!