21.10.12

Livro em Conto

 Por Linhas Tortas
Capítulo 1 – Separadas pelo silêncio!

 

1968 - Cidade de La plata capital província de Buenos Aires; é aqui em meio a um país se reconstruindo depois de um forte golpe militar que nasceu Camille Hotero, uma poetiza que mudou seus caminhos, ousadamente quebrou barreiras, desafiou costumes e enfrentou uma nação inteira.

3 de julho- A Família Hotero está agitada, empolgada pelos nascimentos das irmãs Caroline e Camille Hortero. Todos os olhares eram voltados pra elas. Um começo comum para uma história normal.

“Penso, logo falo que tudo o que a vida nos ofereça em bel-prazer, nada se compara a um oco choro do bebê, pois esses são os berros mais emocionantes pra ela, esses são os berros de felicidade, afinal tudo deu certo”

1979 – As irmãs Hotero completam os seus 11 anos, para Camille uma alegria e tanto, todos a admiravam, davam de tudo pra ela, uma menina lindíssima. Mas porque estamos falando só de Camille se ela tem uma irmã gêmea, aparentemente igual a ela? Bom, vamos deixar que Camille nos diga.

- Minha Família era muito unida, mas muito regrada, fechada e dirigida por costumes criados pela mesma de geração a geração; uma família que não admitia erros, pessoas retrogradas, a sinopse perfeita para atitudes mais que imperfeitas.

1980 – Completamos nossos 12 anos de idade, uma “noite feliz” mas não dentro de mim. Algo se movia contra toda aquela alegria, sim estava triste, pois existia uma repressão conspirada para minha irmã gêmea Caroline Hotero. Creio que tomei atenção demais, vou explicar-lhes os motivos de hoje eu entender o valor da vida, que não se paga, que não se empresta que não se vende.

Tudo começou com a descoberta de um erro genético que infelizmente sobreveio a Carol (é assim que carinhosamente a chamava), deixando sem o dom da Fala. Ela era completamente muda. Hoje a deficiência de mudo-surdo é bem aceitável na sociedade, naquela época não! A “minha” renomada família Hortero era o centro das atenções, devido a sua fortuna promovida pela imperiosa Usina de los platos, um patrimônio que gerou luxo e poder. Tanto glamour implantava na família uma união hipócrita, atitudes totalmente sub-humanas e conceitos bizarros.

Carol não falava, não emitia nenhum tipo de som.

- isso não parece normal! - Exclamava meus pais – ela já tem 9 anos e não fala nenhuma ‘ a’.

Foi então que eles procuraram os melhores médicos europeus para diagnosticar qual era o problema, os médicos então identificaram que o erro genético de Carol era incurável, ela nunca mais conseguiria falar. Furiosos com essa notícia, meus pais não quiseram expor isso ao resto da família.

- Seria um caos, a sociedade saber que os Hoteros tem uma família defeituosa. Foi o que animalescamente minha mãe disse.

Com essa situação pensaram e optaram pela solução mais rápida, mais covarde, mais abissal já feito por um ser-humano normal.


Que solução foi essa?
E que futuro reservam para Camille, agora sem a irmã?

Acompanhe no próximo Capítulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se é Arte, é Categóricos!