28.11.13

Ouça Falar...

... de Aguinaldo silva



Aguinaldo Ferreira da Silva é pernambucano de Carpina, onde nasceu em 07 de junho de 1944. Aos 14 anos começou a trabalhar em um cartório e, aos 16, publicou seu primeiro livro, "Redenção para Job". Colaborou nos jornais "Última Hora", "O Globo" e "Jornal do Brasil", e seus trabalhos, em especial na televisão, apresentam sucesso crescente. O escritor João Antônio, falando sobre ele, disse que "este é um batalhador das letras".

Algumas obras do autor:

- Cristo partido ao meio
- Canção de sangue
- Geografia do ventre
- Primeira carta aos andróginos
- O crime antes da festa: a história de Ângela Diniz e seus amigos
- República dos assassinos
- A história de Lili Carabina
- Inimigo público
- Lábios que beijei
- O homem que comprou o Rio
- Prendam Giovanni Improtta
- Dez histórias imorais
- 98 tiros de audiência
- Partido alto
- Roque Santeiro
- Tieta do Agreste
- Pedra sobre pedra
- Fera ferida
- A indomada
- Suave veneno

O texto abaixo foi extraído da antologia "Ficção - Histórias para o prazer da leitura",


"Eu nunca lera nada sobre este cara chamado Júlio Cortázar. Mas pederastas já vira muitos, desde os tempos do colégio, quando nós os humilhávamos no banheiro, depois das aulas de educação física. Isso sem falar nas vezes em que cruzava com um deles nos cinemas, nos corredores mais escuros, nos mictórios públicos e nas madrugadas sombrias, locais e ocasiões em que essa raça parecia se sentir mais à vontade. Aqueles quatro, no entanto, me pareceram estranhos desde o primeiro instante. Primeiro porque andavam em fila, ordenados, um atrás do outro e todos silenciosos, sérios. Depois porque havia uma coisa difícil de explicar em seus corpos. Embora andassem calmamente, e evitassem gestos inúteis, a verdade é que eles, misturados às dezenas de pessoas que, naquela madrugada, se encontravam na estação rodoviária, mesmo que estivessem parados, ou até se fossem estátuas, me pareceriam, logo os visse, prestes a alçar vôo."


Ouça Falar de Aguinaldo Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se é Arte, é Categóricos!